Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vamos atirar uma bomba ao destino

Não somos de nos contentar com o que o destino reserva para nós. Sonhamos alto e frequentemente caminhamos fora da estrada.

Dia Internacional da Rapariga

Hoje, 10 de Outubro, celebra-se o Dia Internacional da Rapariga. Celebra-se desde 2012, e tem como objetivo chamar a atenção relativamente às necessidades e aos desafios que as raparigas enfrentam, ao mesmo tempo que promove o ''empowerment'' das raparigas e o respeito pelos seus direitos humanos.

 

#FREEDOMFORGIRLS porque todos temos DIREITOS

Infelizmente, em pleno século XXI, raparigas e rapazes ainda não são adquiriram um estatuto similar, e estas disparidades aumentam conforme o nível de subdesenvolvimento dos países (não somos surpreendidos pelas notícias de crianças que casam com homens com o dobro ou triplo da sua idade). 

Raparigas adolescentes têm o direito a ter uma vida segura, educada e saudável, não apenas durantes este período de formação, mas também à medida que amadurecem e se tornam mulheres. Se efetivamente apoiadas durante o período da adolescência, raparigas têm o potêncial de mudar o mundo - tanto como as ''empowered'' raparigas de hoje como as trabalhadoras, mães, empresárias, mentoras, lideres domésticas e líderes políticas.

ONU

Neste dia, dedicado às meninas, vamos pensar nos milhões de raparigas por todo o mundo que não têm direito à educação; que, com 14 anos, já estão divorciadas; que não chegam a nascer, porque são raparigas; que são abusadas diáriamente; que não conhecem a liberdade.

O que é que #FREEDOMFORGIRLS significa para vocês?

 

Aqueles dias...

Estas palavras são para todas aquelas raparigas, onde me incluo, que por vezes desanimam. 

Eu sei que há momentos em que pensas nele, nem é bem nele é neles, no sexo masculino, a vontade que sentes em experimentar novas coisas, em provar o sabor de um beijo, sentir o toque de uma mão forte e quente; olhares para o telemóvel e teres uma mensagem apaixonante; contemplares um sorriso arrebatador só porque apareceste; ouvir da boca dele: "É a minha namorada.". Pequenas coisas que mexem contigo, comigo e com milhares de raparigas por esse mundo fora, que nos fazem sonhar noites a fio, esperar e desesperar.

Tentamos na escuridão da noite, enganar uma amiga inventando desculpas, tentando convencê-la de que é tudo passageiro, nada de muito importante, mas estamos só a tentar mentalizarmos-nos disso, porque ela não acredita e sabe que é importante neste momento para nós aquilo que estamos a sentir, por mais estúpido que possa ser daqui a uns anos.

Ficamos horas a ouvir aquela música, procuramos ver aquele filme de novo ou ler o tal livro mágico onde tudo é perfeito. Imaginar, para poder viver uma história, poder sentir algo.

Tudo porque somos adolescentes e queremos viver tudo de uma forma muito intensa, rápida e sem grande dor. Tudo para quê? Para chegar a adulto e não nos arrependermos daquilo que não fizemos e gostávamos de ter feito, tudo para VIVER.

Estes pensamentos assaltam-nos quando as maleitas físicas se misturam com as da mente. Dias, em o estado febril faz o oposto e, em vez de aquecer, arrefece o coração. 

Aqueles dias em que mais valia ficar na cama e acordar dali a anos. 

Felizmente, e descansa, tudo isto passa, no dia seguinte nada interessou, tudo passou e novos pensamentos surgirão. É bom ser adolescente, por vezes. 

 

large (1).jpg

 

©Mi

 

 

Confissões de uma adolescente #7

Períodos.

(ou menstruações)

É ainda assunto tabu, que deixa muitos homens e também mulheres desconfortáveis ao mero pronunciar da palavra.

Mas como sofro com isto todos os meses e sou da opinião de que, a esta altura do campeonato, períodos já deviam ser vistos como as coisas mais normais do mundo e serem um pouco mais respeitados (sim, causam um sofrimento terrível, mas sem eles tu tão estavas aqui a ler isto!) vou dedicar um post aos períodos, salvadores da Humanidade espécie humana!

Vamos começar pelo ínicio. Aquela parte do mês em que ficamos um pouco stressadas porque pode vir a qualquer momento e se for numa má altura, estamos em maus lençóis... Somos obrigadas a carregar atrás de nós pensos higiénicos e tampões para todo o lado, muitas vezes sendo as salvadoras de pessoas que, como nós, estão a passar pelo mesmo, mas não estão tão pervenidas quanto nós!

As manchas, as dores, o temperamento instável...

Aquelas calças claras e maravilhosas que arruínamos porque chegou mais cedo que devia, o sem número de cuecas~manchadas que temos...

As horas que passamos no trabalho/escola a desejar que o patrão/professores/colegas/cadeiras/um-sem-número-de-outras-coisas-e-pessoas vão para o inferno.

O desconforto daquelas cadeiras horrorosas, a vontade de deitar a cabeça em cima daquele calhamaço que está em cima da mesa mas ser impedida de o fazer porque 1) aí vai uma falta, se o professor for rígido; 2) ''A menina sente-se bem? Quer ir lá fora? Quer que chame a funciónaria? Quer tomar um chá?'' Não, obrigada, deixe estar, isto para a semana já não é nada! 3) ''OH STÔRA A ANTONIETA ESTÁ A MORRER!'' 4) ''Ou... Psst... Olha, chama aí a Joaquina, se fazes favor.'' [A Joaquina olha] ''Ainda tens aí Trifen?'' [Toda a sala ouve, todos olham para ti como se tivesses acabado de matar alguém. Até o fulano que estava a ler olha para ti de olhos arregalados] Literalmente!

O temperamento... Ah esse canalha! Torna-se frio, cínico... A sweet girl passa a uma completa b!tch! Se estás de TPM quase não há problema em responder ao hot boy que se atravessou no teu caminho e ainda reclamou, quase... A amigas tornam-se o alvo da raíva menstrual, comentários ríspidos saem da nossa boca e sem darmos conta temos duas ou três baixas. E se isto é o cenário com as amigas, é melhor nem falar do lado oposto. E depois, claro, os rapazes... Ninguém precisa de rapazes durante o período, a não ser que tenham chocolata ou pizza! As probabilidades de estes saírem gravemente ferídos do campo de batalha também são elevadas....

A comida... Ou estamos com tal apetite que estamos capazes de esvaziar o frigorífico em meia hora, ou o simples cheiro de comida dá-nos um enjoo de morte, ou a única coisa que consideramos comida são os chocolates e gomas que estão lá por casa...

O pior ainda é capaz de ser o verão. Tens aquela festa da piscina para celebrar o aniversário da tua melhor amiga e guess what? Período! E no way in the hell eu vou usar uma dessas coisas de algodão criadas pelo diabo a que chamam tampões! Ou aquele casamento para o qual tinhamos planeado levar um vestido branco lindo que vimos numa loja, mas depois acontece que essa é A SEMANA e parece que vamos ter de ser o Diabo do casamento porque vamos aparecer com um vestido de cor escura...

É o cabo dos trabalhos ser uma mulher, principalmente NAQUELA semana, mas, hey, as mais de 7 mil milhões de pessoas que habitam este planeta estão aqui por causa dos períodos! 

Eis aqui um pequeno texto da autoria de Rupi Kaur sobre o doloroso milagre que são os períodos:

i bleed each month to help make humankind a possibility. my womb is home to the divine. a source of life for our species. whether i choose to create or not. but very few times it is seen that way. in older civilizations this blood was considered holy. in some it still is. but a majority of people. societies. and communities shun this natural process. some are more comfortable with the pornification of women. the sexualization of women. the violence and degradation of women than this. they cannot be bothered to express their disgust about all that. but will be angered and bothered by this. we menstruate and they see it as dirty. attention seeking. sick. a burden. as if this process is less natural than breathing. as if it is not a bridge between this universe and the last. as if this process is not love. labour. life. selfless and strikingly beautiful. 

Preciso de dizer mais alguma coisa depois disto?! 

Por isso, para o sexo masculino: tratem-nas bem! e para o sexo feminino: tratem-se bem!